• Home
  • /
  • Sobre mim
  • /
  • Contato
  • /
  • Blogs Parceiros
  • /
  • Escritores Parceiros
  • [Resenhando] #A Vida Em Tons de Cinza - Por Gabi Laganowski

    Por Ruta Sepetys

    Skoob / Orelha de Livro

    Sinopse :


    1941. A União Soviética anexa os países bálticos. Desde então, a história de horror vivida por aqueles povos raras vezes foi contada. Aos 15 anos, Lina Vilkas vê seu sonho de estudar artes e sua liberdade serem brutalmente ceifados. Filha de um professor universitário lituano, ela é deportada com a mãe e o irmão para um campo de trabalho forçado na Sibéria.

    Lá, passam fome, enfrentam doenças, são humilhados e violentados. Mas a família de Lina se mostra mais forte do que tudo isso. Sua mãe, que sabe falar russo, se revela uma grande líder, sempre demonstrando uma infinita compaixão por todos e conseguindo fazer com que as pessoas trabalhem em equipe. No entanto, aquele ainda não seria seu destino final. Mais tarde, Lina e sua família, assim como muitas outras pessoas com quem estabeleceram laços estreitos, são mandadas, literalmente, para o fim do mundo: um lugar perdido no Círculo Polar Ártico, onde o frio é implacável, a noite dura 180 dias e o amor e a esperança talvez não sejam suficientes para mantê-los vivos. A vida em tons de cinza conta, a partir da visão de poucos personagens, a dura realidade enfrentada por milhões de pessoas durante o domínio de Stalin. Ruta Sepetys revela a história de um povo que foi anulado e que, por 50 anos, teve que se manter em silêncio, sob a ameaça de terríveis represálias. 

    Compre o seu exemplar na Amazon, clique na imagem abaixo : 




    Impressões : 

    Holocausto, Genocídio, Gulag, Pogrom, Campo de Concentração, Campo de Extermínio, Deportação, Minorias. Os nomes para descrever são vários, cada um com diversas ramificações, mas a finalidade é a mesma em qualquer situação. Exterminar uma comunidade.

    Para os executores, tanto físicos quanto intelectuais, comunidade é um conjunto de pessoas que, tudo que fazem no seu dia a dia é considerado irregular, ilegal, subversivo, perigoso, inferior, enfim, contrário ao que um governo classifica como ideal para a manutenção do seu “sistema”.

    Por essa razão, da noite para o dia, milhares e milhares de pessoas tiveram suas vidas, identidades, trabalho, bens, brutalmente roubados em favor de um “sistema” de governo vigente, e eram enviados para campos de trabalho forçado. Mas no fundo, independente de qualquer situação, eram simplesmente pessoas, seres humanos, e graças aos relatos e escritos de vários sobreviventes ou mesmo daqueles que pereceram nesses campos, hoje conhecemos as trágicas histórias dessas pessoas.

    E são histórias que não podemos esquecer, ou melhor, não conseguimos nem devemos esquecer, devem ser preservadas para que não aconteçam mais. Como qualquer uma das muitas que conhecemos, a história de Lina Vilkas e sua família não tem final feliz, o final feliz na verdade ainda não chegou completamente para muitos desses povos, muitos ainda lutam bravamente por sua dignidade e por suas vidas, como a família de Lina lutou. Ás vezes é uma luta perdida.

    Mesmo sendo personagens fictícios sabemos que a história deles é verdadeira e as situações de sofrimento, humilhação, penúria, fome e maus tratos foram reais, assim como as histórias de amor e esperança, que, em determinado momento são as únicas coisas que sobraram para tentar sobreviver.

    A pesquisa feita para o livro foi minuciosa e sabemos que os fatos narrados, mesmo não sendo agradáveis de ler e muito emotivos, são fiéis ao acontecido. São histórias de pessoas que nunca se viram, mas estiveram presentes no mesmo lugar e viveram com suas famílias e amigos os horrores mais inimagináveis.

    Muitas vezes, ao fazermos uma resenha, procuramos fazer uma crítica ao livro e ao autor, dizemos se o autor é bom ou não, se o livro é bem escrito, se a trama é boa ou não. A meu ver, nesse caso, não cabe esse tipo de crítica. O livro e sua trama cumprem o papel de divulgar fatos reais, os horrores sofridos por um povo vistos através dos olhos de uma adolescente e sua família. Mesmo que talvez se perceba um tom sensacionalista em algumas passagens do livro, a crítica, ou o julgamento, deveriam recair sobre o que perpetrou essas atrocidades. O Stalinismo, Nazismo, Fascismo, Racismo.

    Por :





    Gabi também escreve em seu blog Ilusões Noturnas.

    2 comentários :

    1. Fiquei até sem palavras, dá uma coisa ruim por dentro só em pensar em todo esse sofrimento :(
      Beijos
      vaidadecaprichada.blogspot.com

      ResponderExcluir
    2. Esse livro deve ser muito impressionante por usar fatos que aconteceram e transformar em uma historia, não conseguimos ler livros tão fortes assim.

      Beijos


      http://www.onlyinspirations.blogspot.com.br/

      ResponderExcluir